Reveja seus hábitos

Sem Comentários

Atividades Físicas e Alimentação podem te ajudar muito no trabalho. Esses hábitos podem ser aprendidos com habilidades, como planejamento e disciplina. E estas são fundamentais para sua carreira.

Aproveite o fim de semana e escolha um parque mais próximo de você para começar uma atividade.
Reveja sua alimentação para uma vida mais saudável.
Ter cuidado com você e com aqueles que você ama te auxiliará em vários campos da sua vida!

Não se afunde junto com a crise!

Sem Comentários

No dia a dia do trabalho é comum ir assumindo diversas responsabilidades novas todos os dias. Com a crise então, parece que a situação fica mais intensa ainda! As empresas cortam gastos e menos gente tem que fazer o trabalho que um dia já foi de uma grande equipe. Isso sem perder a qualidade! Mas é preciso tomar cuidado, pois é aí que “mora o perigo”… Fazer várias coisas ao mesmo tempo há um tempo atrás parecia ser algo positivo, que gerava produtividade. E pode ser! O que acontece é que atualmente alguns estudos têm comprovado que ser “multitarefa” pode também ser uma armadilha, e por isso é preciso ter muito cuidado e organização.

Pensando nisso, vamos listar alguns “por quês” da armadilha e alguns “comos” para não cairmos nela.

Em primeiro lugar, muita tarefa e muita responsabilidade é claro que gera muito estresse. A equação parece bem óbvia. Em um primeiro momento a gente pensa: então vamos nos livrar de tudo que nos estressa! Já adianto que isso é impossível… O estresse é uma reação do nosso corpo frente às situações novas, que exigem respostas diferentes de nós. E isso é bom! Na realidade o estresse é bom para a nossa sobrevivência e acredite, foi ele que te ajudou a chegar onde você esta hoje. O problema é quando o estresse é tanto que começa a refletir na sua saúde. Grandes quantidades de estresse, por muito tempo e intensidade podem causar sensação de exaustão, insônia e até mesmo queda na produtividade. E a sobrecarga de trabalho e responsabilidades pode ser uma das causas desse estresse intenso. Quando é assim, o chamamos de estresse ocupacional.

O segundo “por quê” da multitarefa ser uma armadilha é conseqüência do primeiro: aumenta o estresse prolongado, cai a produtividade, cai a qualidade da produção. Outra equação fácil de resolver. Precisamos fazer tantas coisas que acabamos não fazendo nada direito. Não é bom para você e nem é bom para a empresa…

É aí que entram os comos. Como lidar com tudo isso então? Pois sabemos que às vezes a situação foge do nosso controle e temos o papel de contribuir com a empresa neste momento, como por exemplo, em momentos de crise econômica em que a sobrecarga é inevitável.

A nossa primeira dica é: procure pessoas para te apoiarem tanto no trabalho quanto fora dele. Explique sua nova situação para as pessoas próximas a você e peça ajuda se achar que é necessário. Ter pessoas com quem contar em momentos em que o estresse pode aumentar (e muito!) é uma questão de sobrevivência. É o que nós psicólogos chamamos de rede de apoio, e ela pode te ajudar a passar por essa fase de maneira mais tranquila.

Depois que tiver construído uma rede de apoio bem firme, organize-se. Nós sempre dizemos e não cansamos de repetir, planejamento é tudo nessa vida!  Ele pode te auxiliar a evitar a sobrecarga de trabalho ou a lidar melhor com ela sem que isso cause danos à sua saúde. Então seguem as outras dicas de planejamento:

Planeje com antecedência e por etapas;

Priorize aquilo que deve ser priorizado, buscando forças para deixar de lado aquelas coisas que está acostumado a fazer, mas que fazem você se desorganizar no tempo;

Defina como e em quanto tempo as suas tarefas devem ser feitas. Mas lembre-se daquela boa dose de realidade, porque se não for assim, só irá te causar frustração se não conseguir realizá-las.

Ao repassar as tarefas adiante ou ao receber novas tarefas, tente se comunicar com muita clareza. Informe-se, pergunte e explique. Ter que parar as atividades por falta de informação pode ser bem desgastante às vezes.

Por último e talvez a mais difícil nos dias de hoje… Evite se dispersar! Não sei qual é o seu caso. Se é o celular, o facebook ou pausas longas para aquele cafezinho… O que sei é que todos têm coisas que nos distraem facilmente do nosso foco. Não deixe essas coisas te prejudicarem. Estipule horários, coloque metas como, por exemplo: trabalhar 90 minutos sem intervalo e depois descansar 15 minutos fazendo o que gosto antes de começar a próxima tarefa. Esse tempinho além de trazer mais qualidade para o seu trabalho vai te ajudar a lidar com o estresse do dia a dia.

Então não desista! Continue fazendo o que está fazendo, mas procure maneiras de deixar tudo mais saudável e prazeroso para você. Isso vai exigir de você mudanças, mas não se preocupe, é possível. Você se sentirá realizado em ter contribuído com a empresa e toda equipe neste momento e ainda irá fortalecer habilidades que auxiliarão no crescimento da sua carreira.

Mulher

Sem Comentários

O que há no caminho, no trilho, no curso, no percurso?

O que há na “Carreira da Mulher”?

Há bravura, resultado, uso dos sentidos e da razão.

Há amor, força, igualdade e opinião.

Há egoísmo, gostosura e preconceito.

Há escolhas e reparação.

O que há na sua carreira, Mulher?

Ano Novo!

Sem Comentários

Nós da A3 agradecemos a todos pelo ano que se finaliza. E desejamos que 2016 seja um ano repleto de Gratidão, Eficácia, Integração e Amor.

Um dos principais desafios dos Millennials no mercado de trabalho é equilibrar vida pessoal e profissional

Sem Comentários

Millennials ou Geração Y é a geração nascida geralmente entre 1980 e 2000, que vivenciou o avanço da tecnologia, adaptando-se a um mundo em constantes mudanças. Diferente da geração Woodstock que tinha como característica comportamentos de revolta, luta pela liberdade de comportamentos e expressão, a geração Y busca flexibilidade, intensidade e autenticidade. Eles gostam de inovações, querem possuir o aparelho tecnológico mais moderno e se preocupam com questões socioambientais.

Confira a matéria completa no link:

http://www.b9.com.br/57683/negocios/um-dos-principais-desafios-dos-millennials-no-mercado-de-trabalho-e-equilibrar-vida-pessoal-e-profissional/ Continuar lendo

Não siga suas paixões – prefira focar no que você faz bem

Sem Comentários

Confira a matéria completa no link a seguir:

http://www.b9.com.br/58143/web-video/nao-siga-suas-paixoes-prefira-focar-no-que-voce-faz-bem/

Você já parou para pensar em seus valores?

Sem Comentários

Rota de Sucesso

Sem Comentários

O que acha de fazer uma Avaliação de Perfil na A3?

Sem Comentários

 

Você se conhece realmente? É uma pessoa dinâmica ou alguém impulsivo? Já se perguntou como as pessoas a sua volta o veem, de verdade? É muito comum distorcermos nossas percepções para sentirmo-nos mais competentes do que na verdade somos. 

A maioria das pessoas tende a exagerar suas habilidades e minimizar suas falhas. Isso leva o indivíduo a ver o mundo não como ele é, mas como gostaria que fosse, causando distorções que no futuro normalmente causarão frustração e tristeza. Uma boa maneira de diminuir essas distorções é usar a Janela de Johari. Trata-se de uma ferramenta criada por dois psicólogos americanos e que ajuda a conceituar o processo de percepção de um indivíduo em relação a si mesmo e aos outros.

A janela da fachada representa as áreas da personalidade que o indivíduo conhece sobre si próprio, mas que não são conhecidas pelas pessoas com as quais convive. É na fachada que se encontram comportamentos que, pelos mais diversos motivos, a pessoa não quer que os outros conheçam. 

Essa atitude de esconder opiniões e pensamentos pode ter relação com o medo de que, se o grupo conhecer esse conteúdo, poderá rejeitá-la ou atacá-la de alguma forma. É na fachada que está a intenção de controlar ou manipular os outros. Por exemplo: a pessoa se mostra compreensiva e calorosa com o objetivo de conquistar a confiança de alguém e depois usar essas informações para ameaçá-la. Entretanto, nem sempre a fachada é negativa. Pessoas muito introvertidas costumam ter uma fachada bastante grande, não porque tenham má intenção, mas porque têm medo de serem mal interpretadas.

Em certa ocasião, acompanhei um processo de seleção para o cargo de gerência administrativa em uma determinada companhia. Surgiu uma candidata com ótimo currículo, referências excelentes e dez anos de experiência na área em questão. Foi admitida, mas três meses após sua contratação estava a ponto de ser dispensada já que não opinava, não participava de forma ativa nas reuniões e evitava tomar decisões. Tivemos uma conversa franca em que expus o problema e perguntei o que estava acontecendo. Ela me disse que estava tentando ser discreta nos primeiros meses para evitar conflitos, pois achava que teria anos para mostrar seu real estilo. Ledo engano: jogar muito tempo na fachada é um péssimo negócio. Ela se arrependeu muito por “esconder o jogo” quando já era tarde demais.

As outras três janelas são: a arena, onde se encontram os comportamentos conhecidos pela própria pessoa e por aqueles com quem ela convive; a mancha cega, onde estão as informações ignoradas pela própria pessoa, mas conhecidas por quem com ela convive; e o desconhecido, onde estão os fatores da personalidade desconhecidos pela pessoa e pelos outros a seu redor.

O grande objetivo de usar a Janela de Johari é reforçar seu autoconhecimento para saber quais são os seus verdadeiros talentos e usá-los a seu favor. Portanto, aumente a sua arena, posicione-se de uma maneira mais transparente e saiba interpretar, de maneira construtiva, a opinião dos outros ao seu respeito. Só assim você saberá analisar se a empresa em que você trabalha ou gostaria de trabalhar é adequada para você, e se você é o profissional certo para ela.

Eduardo Ferraz é consultor em Gestão de Pessoas e especialista em treinamentos e consultorias in company, com aplicações práticas da Neurociência Comportamental. É pós-graduado em Direção de Empresas, especializado em Coordenação e Dinâmica de Grupos e autor do livro Por que a gente é do jeito que a gente é?, da Editora Gente. 

As 6 mentiras mais comuns em entrevistas de emprego

Sem Comentários

 

“Nível de idioma é a mais frequente e mais manjada, dizem recrutadores. Motivo da demissão vem em segundo lugar”

http://exame.abril.com.br/carreira/guia-do-curriculo/noticias/as-6-mentiras-mais-comuns-em-entrevistas-de-emprego

Posts Antigos